BLOCO C45 PARA ALVENARIA AUTOPORTANTE
 
 
A alvenaria autoportante substitui o emprego de vigas e pilares. Pode ser utilizada na construção de residências, edifícios, hotéis, hospitais e edificações com até 4 pavimentos. As edificações portantes podem ser compostas por blocos C25 e C45 - conforme especificação do calculista, dimensões 60 x 30 x espessura, canaletas 30 x 30 x espessura, vergas e contra-vergas, podendo ser utilizados painéis laje (piso, forro e degraus de escada).
 
 
C25
C45
Densidade de cálculo Kg/m³
500
700
Densidade aparente seca Kg/m³
430
630
Resistência à compressão MPa
2,5
4,5
Espessuras 10; 12,5; 15; 17,5; 20; 22,5; 25; 27,5; 30
 
C45 - espessura mínima de 12,5 cm.

• É necessário informar aos usuários as características da edificação sendo proibida a demolição de paredes para alteração do projeto inicial.

• O peso final da parede deve ser determinado acrescentando-se o peso da argamassa de assentamento e revestimento.

 
O projetista estrutural deve definir o tipo e a espessura dos blocos de Concreto Celular Autoclavado em função das cargas atuantes, da altura efetiva da parede e da resistência do bloco.
 

VANTAGENS DA ALVENARIA AUTOPORTANTE SICAL

• Material maciço, homogêneo e com alto grau de isotropia, permitindo uma distribuição uniforme das cargas ao longo da seção da parede;

• O emprego de vergas e contra-vergas de Concreto Celular Autoclavado (produzidas industrialmente) permite a execução de paredes homogêneas sem a presença de outros elementos além do Concreto Celular Autoclavado e da argamassa;

• Ao substituir pilares e vigas, a alvenaria autoportante reduz o consumo de concreto, aço e madeira para formas e escoramento;

• As alvenarias autoportantes são construídas antes das lajes. Esta seqüência construtiva antecipa o início da execução das instalações e revestimentos, reduzindo o número de etapas da obra e o tempo final de construção e conseqüentemente redução no custo final da obra.

 
A ALVENARIA AUTOPORTANTE SICAL É SIMPLES, SEGURA E ECONÔMICA

1 - Estocagem
Recomenda-se estocar todo o material SICAL em local plano e arejado, em pilhas de no máximo 1m de altura, sobre caibros de madeira e cobrí-los com lona plástica (caso não estejam protegidos da água). Os blocos não devem ser aplicados quando estiverem com umidade superior a 15% em volume, ou seja densidade aparente de massa superior a 580kg/m³ (C25) e 810Kg/m³ (C45).

2 - Argamassa de Assentamento
A argamassa poderá ser industrializada ou moldada "in loco" sendo definida pelo projetista em função do cálculo estrutural. Na falta de um traço específico, como sugestão, pode-se adotar a argamassa mista preparada "in loco" no traço 1:1:6 (cimento, cal hidratada e areia lavada média) - traço em volume.

Preparo: Misturar com antecedência de 24 horas a cal de boa qualidade, tipo CH-1 e areia lavada média na proporção de 1:6 em volume (1 lata de cal para 6 latas de areia) adicionando-se água até obter uma pasta. Deixar em repouso em local apropriado. Para assentar o material, misturar 1 parte de cimento para 6 da mistura de cal e areia.

3 - Recomendações Práticas

  • A área onde serão executadas as alvenarias deverá ser desobstruída, limpa e nivelada;

  • A espessura das juntas de assentamento, vertical e horizontal, deverá situar-se entre 10 e l5mm;

  • Assentar os blocos das extremidades com auxílio de nível, prumo e esquadro;

  • Assentar os demais blocos, da 1ª fiada, empregando duas linhas para manter o prumo e o nível (uma linha na aresta superior e outra a 1/3 da altura);

  • Posicionar juntas de movimento e aberturas de portas;

  • Verificar o nivelamento de toda a 1ª fiada antes de prosseguir com o levante da alvenaria;

  • Executar o levante da alvenaria observando nível, prumo e preenchimento das juntas;

  • A interrupção das elevações das alvenarias deve ser em forma de "castelo", já que as outras formas não permitem o perfeito preenchimento posterior das juntas;

  • A programação do assentamento da alvenaria deverá ser feita de maneira que se tenha a execução de no máximo oito fiadas consecutivas, sendo quatro em cada período de trabalho do dia, garantindo maior estabilidade ao conjunto.



 

4 - Amarrações
Os cuidados com a amarração permitem a construção de alvenarias com resistência significativamente superior àquelas onde estes não são considerados. Normalmente considera-se uma defasagem mínima de 40% da altura do bloco (12cm para h=30cm) para as juntas verticais entre fiadas sucessivas.

Valores inferiores a estes podem comprometer a estabilidade e/ou contribuir para o surgimento de patologias. A união entre as paredes também requer atenção especial. Os blocos que compõe a interseção deverão ter comprimentos no mínimo iguais a ½ bloco (30cm).

 

RECOMENDÁVEL
ACEITÁVEL

 

5 - Armação e Reforço
Para uma melhor amarração dos cantos e encontros de paredes e também para minimizar os efeitos de tensões de flexão e tração, deverão ser posicionadas armaduras nas fiadas ficando a cargo do calculista a sua especificação.

 

6 - Aberturas
As vergas e contra-vergas (portas e janelas) deverão ser executadas juntamente com o levante das alvenarias. Devem ser utilizadas peças pré-fabricadas de Concreto Celular Autoclavado ou blocos tipo canaleta preenchidos com micro-concreto e armadura conforme projeto estrutural. As contra-vergas deverão avançar no mínimo 50cm para cada lado da abertura.

7 - Apoio da Laje
Na fiada de respaldo, apoio da laje, deverá ser colocada uma fiada de blocos tipo canaleta (armação definida pelo projetista estrutural).

 

8 - Embutimento de Tubulações
As paredes hidráulicas devem exercer apenas função de vedação e ser executadas somente após a conclusão de todas as alvenarias e lajes, e os rasgos para passagem de tubulação deverão ser executados após consulta ao calculista. As aberturas/sulcos para passagem de tubulações deverão ser executadas com rasgador manual ou elétrico - o uso de talhadeira e marreta compromete a estabilidade da alvenaria. Para tubulações de grandes diâmetros recomenda-se a construção de "shafts". Quando não for possível, seguir os seguintes passos:

  • Abrir sulcos para a passagem da tubulação;

  • Executar envelopamento das tubulações de prumada com tela tipo "deployee" ou de arame galvanizado;

  • Deixar um espaço mínimo de 1,5cm entre a tubulação e a face dos blocos;

  • Preencher o vão com cacos de blocos e/ou argamassa no traço 1:3 (cimento e areia);

  • Inserir no revestimento tela metálica galvanizada, tipo pinteiro, # ½ fio 24, trespassando 20cm para cada lado da abertura.